ponto de vista

sonoridades

arquivo »

vídeos e fotos

  • jornais A
  • Jornais B
  • Jornais C
  • Jornais D

livre para voar

A passagem do ano foi na mais absoluta clandestinidade.  Não gosto destas festas. O ano que passou foi bem pesado. Até o início de fevereiro vai predominar o espírito perambulante. Gosto de Porto Alegre no verão. É uma coisa mais civilizada.  Isso não significa que não venha a ser, periodicamente, tomado por este mesmo espírito perambulante, mas em sucessivas Derivas. Motociclísticas ou não. Estou procurando me colocar em sintonia com o fluxo cósmico. Até lá não haverá qualquer lógica , regra, regularidade nas postagens. Estou iniciando o ano sem compromisso com porra nenhuma. Livre para voar!

não tenho a pretensão de possuí-la

Quem busca sabedoria, que a busque onde se aloja; não tenho a pretensão de possuí-la. O que aí se encontra é produto de minha fantasia; não viso explicar ou elucidar as coisas que comento, mas tão somente mostrar-me como sou. Talvez venha a conhecer a fundo um dia, ou as tenha conhecido, se por acaso andei por onde elas se esclarecem. Mas já não as recordo. Embora seja capaz de tirar proveito do que aprendo, não o retenho na memória: daí não poder assegurar a exatidão de minhas citações. Que se veja nelas, apenas, o grau de meus conhecimentos atuais. Não se preste atenção à escolha das matérias que discuto, mas tão-somente à maneira como as trato. E, no que tomo de empréstimo aos outros, vejam unicamente se soube escolher algo capaz de realçar ou apoiar a idéia que desenvolvo, a qual, sim é sempre minha. Não me inspiro nas citações; valho-me delas para corroborar o que digo e não sei tão bem expressar, ou por insuficiência da língua ou fraqueza dos sentidos. Não me preocupo com a quantidade e sim com a qualidade das citações. Se houvesse querido tivera reunido o dobro. Provêm todas, ou quase todas, dos autores antigos que hão de reconhecer embora não os mensione. Quanto às razões, às comparações e aos argumentos que transplanto para meu jardim, e confundo com os meus, omiti muitas vezes, voluntariamente, o nome dos autores, a fim de pôr um freio nas ousadias desses críticos apressados que se espojam nas obras de escritores vivos e escritas nas língua de todo mundo, o que dá a quem queira o direito de as atacar e insinuar que planos e idéias sejam tão vulgares quando o estilo; e eu quero que dêem um piparote nas ventas de Plutarco pensando dar nas minhas, e que insultem Sêneca de passagem…

a mídia esconde o Brasil (oculta, fragmenta, induz e inverte)

Tenho pelo menos uns dez ou quinze exemplares da Carta Capital em que o tema é a mídia. Não como espetáculo, não como showrnlismo, mas com uma visão do papel que a mesma desempenha no controle da opinião pública com  a divulgação de seu “olhar isento”. Sim, “isento” de um lado só.

os editorais escritos por Mino Carta

Já disse inúmeras vezes, em sala de aula, que os editoriais escritos pelo Mino Carta, em geral, mas ainda mais os que tratam da mídia são um belo suporte para a realização de uma monografia. Uma monografia sobre como esta revista, dirigida por este jornalista que tem uma história singular na imprensa do país, “enxerga” a própria mídia.

é um erro ficar apenas na frente desta tela

É um erro ficar na frente da tela (unicamente e todo o tempo do mundo), transitando por redes, blogs e sites e abandonar a prática de ler jornais e revistas, no papel. Facilita a prática (deles) da manipulação por ocultação, inversão, fragmentação e indução. Pena que não tenhamos mais um Perseu Abramo. Ele faria uma “leitura” de tudo que está acontecendo.
Jornal “Folha de São Paulo”, edição de sábado, 10.12.2011, em um caderno denominado PODER, página 6. Não estamos dizendo que este jornal seja melhor do que qualquer outro. Eles se alternam e transitam por uma “imensidão informativa” que possibilita uma infindável variação de mecanismos de manipulação, passando por ocultar, fragmentar, interver e induzir seus leitores. A notícia é ”os restos mortais do espanhol Miguel Sabat Nuet, que passaram quase quadro décadas na vala do Perus, em São Paulo. serão entregues para sua família na segunda feira. Nuet morreu aos 50 anos, numa cela do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), em 1973. A pedido da família, seus ossos foram cremados ontem, sob acompanhamento do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, e a urna funerária serão levada para Caracas, na Venezuela, onde vivem os filhos de Nuet”.

Tem muito showrnalista alimentando redes, blogs e sites com informações repassadas por outros showrnalistas que, também, se alimentam de outros showrnalistas. E ninguém sabe onde algumas “informações” são geradas e com que grau de confiabilidade. Assim, um monte de gente passa o dia envolvida com este “maravilhoso mundo da informação”, do nada. É preciso que a gente esteja sempre ligado para descobrir os vacilos, deles. Alguns jornais brigam menos com a notícia. Assim, algumas poucas vezes, é verdade, encontramos notícias importantes como esta. E, como guerrilheiros midiáticos, que alternam algumas horas de tela com muita vagabundagem, vamos “pros finalmente” destacando o que, de fato, interessa. Sem esse monte de baboseiras que circulam na imensa rede do nada. Já que estamos sob controle vamos fazer um bom uso dessa porra. Temos a obrigação de sermos irresponsáveis na luta contra a mídia corporativa. Esta ideia está sendo amplamente discutida entre militantes da Liga Internacionalista dos Exus Esquerdistas, assim como pelos trabalhadores do Centro de Estudos Comparados das Sacanagens da Mídia Corporativa. E, aqui na redação, ninguém fuma! Criamos, a partir de hoje, a categoria TESÃO  para denominar algumas postagens deste novo período.