ponto de vista

sonoridades

arquivo »

vídeos e fotos

  • jornais A
  • Jornais B
  • Jornais C
  • Jornais D

a antiga e velha porto alegre

Praça 15 de novembro (POA)
Superior Tribunal – ao fundo Biblioteca Pública (POA)
Praça Marechal Deodoro: ao centro – Monumento a Júlio de Castilhos; ao fundo – Palácio do Governo (RS)
Mercado Público Municipal (POA)
Rua dos Andradas – 1870 (POA)
Rua dos Andradas – 1931 (POA)

a violência nas manifestações

Indagado sobre a ação organizada ou não dos vândalos, nas recentes manifestações de rua, alinhei algumas ideias. A primeira delas, talvez óbvia, é que manifestações na Turquia, Síria, Paris, Los Angeles; e, em quaisquer partes do mundo, contará sempre com agentes provocadores, policiais infiltrados se passando por manifestantes e, na atualidade, uma rede de coletivos das mais variadas tendências. Em alguns casos com tênues afinidades. Tudo muito parecido, fragmentado. Estarão em ação até mesmos criminosos. Como ocorre nas grandes cidades do mundo, nas periferias de Londres e Paris. Uma das dificuldades dos serviços de inteligência dos aparelhos repressivos, em nosso país, no sentido de identificar e agir preventivamente, é que o “vandalismo”, em grande parte é promovido por pequenos coletivos anarquistas. Coletivos que por serem pequenos e não hierarquizados dificultam a coleta de informações, a partir da infiltração de agentes ou do cooptação de alguém pertencente ao meio. Estavam acostumados a monitorarem estruturas partidárias, sindicais, movimentos sociais, ONGs, grupos com estruturas tradicionais. É evidente, pelo menos na minha visão, que os pequenos coletivos anarquistas estão na linha de frente. Assim como é evidente, até por tradição, que existe a ação de provocadores e agentes infiltrados. O que a “esquerda” não pode, embora historicamente tenha sido sua prática, é fazer dos anarquistas (em algumas circunstâncias dos trotskistas) supostos agentes provocadores e policiais, como forma de evitar a rebelião e manter o controle para efeito de participação no jogo político do sistema. Dizem os zapatistas que o poder teme o poder das máscaras. Mascarados anarquistas, em futuras manifestações, vão ser cassados/caçados. A violência vai aumentar.