ponto de vista

sonoridades

arquivo »

vídeos e fotos

  • jornais A
  • Jornais B
  • Jornais C
  • Jornais D

DKV – Vemag

Juscelino Kubitschek (1902/1976), em 1956, visita a fábrica da Vemag, em São Paulo.  Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo. Como presidente (1956/1960)  fez de tudo para estimular a implantação da indústria automobilística do país.

Fotos antigas

Oficina em Caxias do Sul (RS). Bestetti – nome completo e datas desconhecidos. Do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, de Caxias do Sul. Do livro “A Indústria – fábricas de chaminés de barro”, da Coleção Folha Fotos Antigas do Brasil.

mst em ação

Famílias do MST reocupam área da Fepagro em Eldorado do Sul Acampados reivindicam cumprimento do acordo feito no final do ano com o Governo do Estado

Ação de hoje é conjunta em três áreas destinadas pelo Executivo gaúcho para Reforma Agrária no ano passado. Além de ocuparem a Fepagro (Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária) em Eldorado, as famílias iniciam o plantio de hortaliças e lavoura de subsistência nas áreas de Charqueadas e Taquari, também partes no acordo. Acordo garantia estas áreas para assentamento até o final de 2011. Até hoje nenhuma das áreas foi oficialmente liberada. Por determinação do governador do Estado, Tarso Genro, em setembro de 2011 o secretário do Desenvolvimento Rural, Ivar Pavan, assinou um acordo com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) destinando três áreas para assentar 36 famílias: a primeira em Eldorado do Sul, localizada próximo à BR-116 e à Estrada do Conde; a segunda em Charqueadas, localizada na antiga Colônia Penal Agrícola; e a terceira em Taquari, na Antiga FEBEM.  O acordo que definiu as áreas para a Reforma Agrária deriva de um documento anterior, de  abril, em que o Governo Estadual havia se comprometido em assentar as mil famílias que vivem em acampamentos no Rio Grande do Sul até 2012. Contudo, apesar da decisão política de liberar as três áreas para os futuros assentados, as famílias continuam vivendo em barracos de lona preta. Por muitos anos estas áreas pertencentes ao Estado estiveram sem função social. A área da Fepagro vinha sendo arrendada para terceiros de forma ilegal. Inclusive os agrotóxicos utilizados por estes levaram à contaminação de algumas vilas e comunidades rurais do município. Agora, com a ajuda de outros assentamentos do MST, as famílias reocupam, plantam alimentos orgânicos e exigem condições para dar continuidade à produção, isto é, acesso aos direitos sociais como moradia, saneamento básico, educação e saúde. A situação desses assentamentos não é exceção: a Reforma Agrária não tem sido prioridade política no Brasil nem no Rio Grande do Sul. Enquanto os assentamentos rurais padecem devido à falta de recursos, o governo investe cada vez mais no agronegócio e em grandes eventos (como a Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016).

Pauta das famílias acampadas do MST

- Assentamento das 1.000 famílias acampadas no Estado
- Liberação do convênio com o Governo Federal para compra de novas áreas destinadas a Reforma Agrária no valor de R$126 milhões
- Regularização das três novas áreas de Eldorado do Sul, Charqueadas e Taquari
- Infra estrutura para produção de alimentos nos novos assentamentos, além de moradia, eletricidade e água potável

De Albert Camus

Continuo impedido de escrever o que penso sobre o jornalismo praticado por Zerolândia. Não posso dizer nada sobre algumas matérias e fotos. Não existe meia censura. Ou posso analisar todo e qualquer material publicado ou não comento nada. Um funcionário com 35 anos de PRBS (Partido Rede Brasil Sul de Comuniação/RBS), que nunca trabalhou em outra empresa qualquer, sem ter sido testado fora da firma, moveu duas ações contra nós. Na esfera criminal ganhamos a ação em todas as instâncias. Mas corre uma outra na esfera civil. O que importa mesmo é que nossos objetivos foram alcançados. O caderno Ilustríssima, da Folha de São Paulo, divulga um manifesto de 1939 escrito por Albert Camu. Publicado pela primeira vez, no último dia 18, pelo jornal “le Monde”. Deveria ter sido divulgado, em 1939, pelo jornal “Le Soir Républicain”. Se você não leu nenhum livro de Camu lamento, mas…. deixa pra lá…..