ponto de vista

sonoridades

arquivo »

vídeos e fotos

  • jornais A
  • Jornais B
  • Jornais C
  • Jornais D

VISÕES

  
Fidel Castro e Che fotografados em uma cela, presos no México, em julho de 1956. É a primeira foto em que aparecem juntos.

“A vontade de olhar para o interior das coisas torna a visão aguçada, a visão penetrante. Transforma a visão numa violência. Ela decreta a falha, a fenda, a fissura pela qual se pode violar o segredo das coisas ocultas. A partir dessa vontade de olhar para o interior das coisas, de olhar o que não se vê, o que não se deve ver, formam-se estranhos devaneios tensos, devaneios que formam o vinco entre as sombrancelhas.” (Gaston Bachelard)


Rua da Praia, centro de Porto Alegre, Páscoa de 1988, negativo 6×9, filme 400 asas, 120, pb, velocidade 100, abertura em infinito, diafrágma em 4.5, máquina Agfa Record II, de fole. Imagem “escaneada” da cópia em sépia. Nenhuma manipulação no photoshop.

ESTADO ABANDONO E SUA BANDEIRA
    Passarela da Rodiviária de Porto Alegre, 29 de julho, cerca de 15 graus,  em torno das 17hrs. E esta bandeira não e cascata. A foto é de Daniel Hammes.

“A ambição do fotógrafo alemão August Sander, cuja coleção ‘ Espelho dos alemães’ foi publicada em 1929, era retratar a sociedade através de fotogafias de indivíduos típicos. Da mesma forma, o fotógrafo americano Roy Stryker apresentou o que ele denominou de fotografias ‘documentaristas’ a historiadores como uma nova forma de ‘capturar itens importantes porém fugazes na cena social’.  Por semelhantes razões, Georde Caleb Brigham, o pintor americano de cenas do cotiadiano do século 19, foi descrito como um ‘historiador social’ do seu tempo. (do livro Testemunha Ocular, de Peter Burke)

IMAGEM SURPRESA

   Elevada da Conceição, centro de Porto Alegre, final de tarde, filme 120, Superia X-TRA 400. Foto a partir da calçada da Av. Independência. Reprodução ”scaneada” de uma cópia 10×10 em papel fosco, sem nenhuma manipulação no Photoshop. Máquina Holga, toda de plástico, mesmo mecanismo da Loma. Impossível prever o resultado. Um divertido e lúdico bringuedo. Fotojornalismo é flanar. Cartografia é repressão.

” A vida real caminha melhor se lhe dermos suas justas férias de irrealidade.” (Bachelard)
   Como dizia Gaston Barchelard “só olhamos com uma paixão estética as paisagens que vimos antes em sonho.” Fotos feitas no Parque da Redenção, em Porto Alegre.
   Ele também dizia que “o devaneio na criança é um devaneio materialista. A criança é um materialista nato. Seus primeiros sonhos são os sonhos das substâncias orgânicas.”
         Minguém conseguirá calar as almas inquietas. Até hoje, sempre, encontrei o caminho da subversão. Lewis Hine (1874/1940) dizia que “as fotografias não mentem, mas mentirosos podem fotografar.”

A RUA É COM ELES

 
No Largo do Mercado Público, centro de Porto Alegre, um dos shows de um grupo de artistas de rua. Ainda Flusser “… Por certo, o aparelho faz o que o fotógrafo quer que faça, mas o fotógrafo pode apenas querer o que o aparelho pode fazer. De maneira que não apenas o gesto mais a própria intenção do fotógrafo são programados. Todas as imagens que o fotógrafo produz são, em tese, futuráveis para quem calculou o programa do aparelho. São imagens prováveis.”
        Além de fotografar pensamos, criticamente. E a imagem não foi roubada. Não praticamos fotocampana. Mostramos a cara, sempre.

A IMAGEM QUE DIZ TUDO

Suhaib Salem/ Reuters – Folha de São Paulo, edição 27.07.2009, págA12, com a legenda “Menino palestino passa por mesquita destruída pela última ofensiva israelense em Gaza.”

TATEANDO

  
“Quem diz ‘tatear’, está dizendo que algo se move cegamente com a esperança de encontrar algo, como que por acidente. ‘Tatear’ é o método heurístico da pesquisa”. (Vilém Flusser)
 
Entrada da Galeria Chaves, Rua da Praia, centro de Porto Alegre. Digital Lumix Panosonic, lente Leica.
  
Galeria Chaves em reforma. Primeiras horas da tarde de domingo. O showrnalismo da mídia corporativa não sabe nada da cidade. Regulagem manual.
  
Passando pelo local dois padres da Igreja Ortodoxa Russa do Estado. O showrnalismo é espetáculo que aliena. Flusser se pergunta: “… como é possível se alterarem os feixes que irradiam imagens e dispersam a sociedade em indivíduos solitários e programados?”
          Estamos tateando.